Destaque

Passarela do Samba do Rio de Janeiro, modelo para o Brasil, grande obra do primeiro governo de Brizola no RJ – fruto das genialidades de Darcy Ribeiro e Oscar Niemeyer

A história da folia carioca se confunde com a nossa história política. Seja na letra do samba ou nos bastidores, carnaval e política sempre andaram de mãos dadas. Não foi diferente na inauguração do Sambódromo, em 1984, pelas mãos do governador Leonel Brizola – usando as genialidades de Darcy Ribeiro e Oscar Niemeyer. A criação do Sambódromo é essencialmente política porque, para além de sediar os desfiles durante o carnaval, o local foi pensado para abrigar 160 salas de aula, com capacidade de atender cerca de 10 mil crianças da rede pública durante o ano letivo. Essa feliz combinação de políticas públicas para a educação e para a cultura é obra de duas figuras políticas: Brizola e Darcy Ribeiro, então vice-governador. Obra radicalmente combatida pela Globo – que dizia que por ter sido construído em apenas quatro meses a obra era insegura e ia cair, com milhares de pessoas nas arquibancadas, o sambódromo do Rio veio para ficar e hoje é modelo para os sambódromos – e até bumbódromo – construídos Brasil afora. A passarela Darcy Ribeiro é o gigantesco palco para o “maior espetáculo da Terra” onde a crítica social sempre esteve presente desde a década de 30, quando Vargas descriminalizou o samba e estimulou a criação das escolas – valorizando a cultura popular. Ontem na passarela, a São Clemente, deu show criticando Bolsonaro e seus laranjas.

ESTADUAL

Estadual

Juíza se nega a multar e bloquear contas de associações de PMs responsáveis pelo motim em Sobral e no Ceará

A juíza Cleiriane Lima Frota, da 3ª Vara da Fazenda Pública do Ceará, negou pedido do Ministério Público para multar em R$ 1 milhão por dia e bloquear contas de cinco associações de policiais e bombeiros militares por causa do movimento paredista que ocorre no Estado desde terça, 18. Na mesma decisão, a magistrada ratificou medidas em face das entidades que haviam sido determinadas na segunda, 17. A Promotoria alegava suposta ‘inobservância das proibições constitucionais de sindicalização e greve de militares instituídas pela Constituição Federal’. A decisão foi criticada porque, ao contrário da greve dos petroleiros punidos com multas exorbitantes; policiais militares são proibidos pela Constituição de fazer greve: são “amotinados” passíveis de expulsão.

Estadual

Wilson Ferreira: Fascistas e invisibilidade midiática não se combatem com flores

O mais importante na grande mídia não é o que ela pauta. É o que ela não diz. O jornalismo corporativo tem o dom de atribuir invisibilidade a fatos que não atendem a atual pauta que sustenta a estratégia semiótica de guerra criptografada: a pauta identitária, cultural e de costumes.  A invisibilidade do documentário “Democracia em Vertigem” na premiação do Oscar e os 20 dias de greve dos petroleiros são exemplos: depois que o documentário “perdeu” e a greve foi suspensa, de repente a mídia descobriu que existiam, mas como “derrotados”.  O que há em comum nesses fatos “invisíveis”? São contra-pautas – revelam temas econômicos que mostram a insustentabilidade da agenda neoliberal. (…) Aqui começamos a compreender o gênio de Brizola que a esquerda jamais entendeu: aquilo que a grande mídia NÃO quer dizer é mais importante do que ela pauta. (Leia mais)

Estadual

Anderson França escreve: “Retroescavadeire-se: não se combate ditadura em 2020 como em 1964”

O ativista social e escritor Anderson França, neste artigo, dá a sua visão para o que está acontecendo no Brasil. Um texto que serve, também, para por em alerta todos os brasileiros que respeitam o Estado de Direito e as liberdades democráticas que a tão duras penas os brasileiros reconquistaram. Anderson escreveu: “Precisamos entender que as ditaduras de 2020 evoluíram. Não tomam mais o poder na marra, como antes. Agora se elegem. Usam o Judiciário, tecnologia. Não podemos combater as ditaduras de 2020, pensando na de 1964. Não vamos encontrar solução para o que acontece agora, esperando que caia do céu um herói Lula ou uma heroína Dilma pra nos salvar. Sinto dizer, você precisa encontrar uma retroescavadeira pra chamar de sua. Pra ontem”.

Estadual

Vítima de perseguição judicial (‘Lawfare’), prefeito Rodrigo Neves de Niterói grava vídeo se defendendo de acusações

O prefeito Rodrigo Neves , de Niterói, gravou um vídeo manifestando toda a sua indignação com a decisão de uma juíza  que embargou suas contas bancárias pessoais, reacendendo neste ano eleitoral de 2020 a perseguição política de que é vítima desde o final do ano retrasado quando foi preso por conta de um processo em que não prestou depoimento até hoje porque seu principal objetivo, ao que tudo indica, é provocar prejuízos políticos para a sua administração. No mesmo dia de sua prisão um ex-vereador de Niterói – ligado a Bolsonaro – apresentou na Câmara Municipal pedido de impeachment com mais de 100 páginas – prova inconteste da armação.  A Câmara rejeitou  o pedido.

Estadual

Juiza da 3ª. Vara Cível de Niterói, Mirella Correia de Miranda, fã de Bolsonaro, bloqueia contas do prefeito Rodrigo Neves

A juíza Mirella Correia de Miranda, da 3ª Vara Cível de Niterói (RJ), determinou na terça (18)  bloqueio das contas do prefeito Rodrigo Neves (PDT), por supostas vantagens financeiras apontadas pelo Ministério Público. A decisão leva em conta as mesmas alegações que levaram o prefeito preso sem provas, com base em uma delação premiada em processo que nunca foi ouvido. A juiza, que chancelou a tese do MP contra Rodrigo, usa redes sociais para compartilhar ideias da extrema-direita. Rodrigo, tendo sua mulher ao lado, gravou vídeo explicando que o fascismo tenta avançar em Niterói a partir de acusações infundadas contra ele, como aconteceu ano retrasado.

Estadual

Ciro depois de Cid ser baleado: ‘Bolsonaro não respeita regras democráticas e destrói Estado de Direito no Brasil’

“O Estado de Direito está sendo destruído no Brasil pela atuação de um presidente (Jair Bolsonaro) canalha que tem absoluto desrespeito pelas regras democráticas”, acusou o ex-governador Ciro Gomes ao falar pela primeira vez à imprensa sobre os acontecimentos ocorridos na véspera em Sobral, no Ceará,  envolvendo o seu irmão Cid Gomes que levou dois tiros quando – desarmado e na direção de uma retroescavadeira – investiu contra uma barreira de policiais militares amotinados que ocupavam um quartel da PM. “Policiais não podem se amotinar e levar o terror a uma cidade já que imitar facções criminosas não é argumento para qualquer que seja a causa”, disse Ciro.

Estadual

Lupi condena ambiente de ódio que país vive causado por greves de policiais no Nordeste e o perigo que elas representam

Lupi analisa, em vídeo, o atentado ao senador Cid Gomes (PDT-CE) e as graves consequências de motins de policiais – como o ocorrido em Sobral, no Ceará – para a democracia e para a segurança pública. “Não podemos ser vítimas da polícia!”, alerta Lupi, já que a criminalidade e a violência cada vez mais aumentam no Brasil – agora estimuladas pelo comportamento benevolente do governo de Brasília, com a atuação de milicianos.  No vídeo, Lupi narra passo a passo a crise da segurança pública do Ceará, os alertas feitos tanto pelo senador pedetista como o governador Camilo Santana (PT). “Não podemos viver nesta bagunça institucional.

Estadual

Nilo Batista falará sobre “O Poder Punitivo e a Magistratura” no Centro Cultural da Justiça Federal

O ex-governador Nilo Batista fará palestra sobre “O Poder Punitivo e a Magistratura” dia 27/3 no Centro Cultural da Justiça Federal, no Centro do Rio, no III Seminário de Direito Penal, Democracia & Direitos Humanos, que também terá mesa de debate para discutir o tema “Criminologia Crítica Meio Século Depois: O que Fazer?” reunindo a professora titular de Criminologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Vera Regina Pereira de Andrade; e a professora adjunta de Criminologia da UERJ e secretária Executiva do Instituto Carioca de Criminologia (ICC-RJ), Vera Malaguti Batista. Também será exibido o filme “Auto de Resistência”.

Estadual

Cid Gomes está fora de perigo, passa bem depois de ser baleado em Sobral quando enfrentava policiais amotinados

O Senador Cid Gomes (PDT-CE), baleado ontem por policiais militares em greve na cidade de Sobral, foi transferido para o hospital Monte Klinikum, em Fortaleza. As primeiras horas após Cid ser baleado foram de observação sobre possíveis sangramentos, hidratação intensa e reposição de oxigênio. Um dos dois projéteis que atingiram Cid perfurou o pulmão, mas não houve sangramento; nenhum vaso sanguíneo importante e nenhuma área do coração foram afetados. Ciro Gomes, em resposta a Eduardo Bolsonaro, que criticou a atitude de Cid de tentar entrar no quartel da PM amotinado, garantiu que o Ceará não se tornará terra de milicianos como Rio se tornou, com ajuda dos Bolsonaros.

Em foco

Lupi questiona o papel das redes sociais e como melhorar a comunicação

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, analisa o papel das redes sociais especialmente depois da campanha eleitoral de 2018 e da vitória de Bolsonaro com base no uso de bancos de dados e mensagens diretas aos eleitores, via redes sociais, e como reagir a este sistema.

CONVENÇÕES MUNICIPAIS DO PDT RJ