Prefeitura de Japeri (RJ) promove ação social para o público LGBTQIA+

Atendimentos jurídico, psicológico e assistencial são disponibilizados em Engenheiro Pedreira

A Prefeitura de Japeri (RJ), administrada por Fernanda Ontiveros (PDT), promoveu nesta sexta-feira (25) uma ação social voltada para o público LGBTQIA+. O evento, que aconteceu na Praça Vereador Wendel Coelho, em Engenheiro Pedreira, contou com a parceria do Centro de Cidadania LGBT Baixada II. No evento também estiveram presentes autoridades municipais e representantes do legislativo.

No local, a Secretaria Municipal de Assistência Social e Trabalho ofereceu serviços de orientação de carteira de trabalho digital, atendimento jurídico, psicológico e assistencial. Além disso, quem participou da ação também fez agendamento de CadÚnico e Bolsa Família. Também foram realizados testes rápidos de Infecções Sexualmente Transmissíveis.

“Tivemos pelo menos 20 pessoas que fizeram cadastro no Bolsa Família, outras 10 que tiraram carteira de trabalho e 50 testes rápidos de Doenças Sexualmente Transmissíveis. Essa é a primeira de muitas ações que iremos realizar aqui na cidade. Estamos todos muito felizes com o resultado que alcançamos. A população merece”, disse a coordenadora do Centro de Cidadania LGBT Baixada II, Nilzinha Barbosa.

“Esse tipo de ação só reforça, mais ainda, as políticas públicas para pessoas LGBTQI+. Obtivemos bons resultados. Seguimos trabalhando por uma Japeri com cultura de direitos humanos e inclusão para todos’, disse o secretário Rogério Santanna.

O Centro de Cidadania LGBT Baixada II conta com equipe composta por assistentes sociais, psicólogos e advogados para garantir que direitos essenciais aos cidadãos sejam cumpridos. Os interessados em buscar atendimento no local podem procurar o equipamento na Rua 6 de Fevereiro, s/nº (em frente à estação ferroviária de Japeri), de segunda a sexta-feira, de 9h às 17h.

O que é LBGTfobia?

A LGBTfobia pode ser definida como a rejeição, o medo, o preconceito, a discriminação, a aversão ou o ódio, de conteúdo individual ou coletivo, contra aquelas (es) que, supostamente, sentem desejo ou têm práticas sexuais com indivíduos do mesmo sexo biológico.  As ofensas à coletividade LGBTQIA+ também passam a ser consideradas crimes de racismo, enquanto prática, indução ou incitação do preconceito ou da discriminação.

Para denunciar o crime de LGBTfobia, basta ligar no Disque 100.

Imagem: Prefeitura de Japeri.