Perdemos um grande brasileiro: Waldyr Pires

O MAPI-PDT, Movimento dos Aposentados, Pensionistas e Idosos vem lamentar a perda do grande companheiro das eternas lutas Waldyr Pires aos 92 anos em Salvador-BA.
O ex-ministro de João Goulart se foi justamente quando se tem, no Brasil, uma enorme preocupação com a perda da soberania, como consequência da política entreguista implantada pelos autores do Golpe de 2016, é duro perder um combatente tão admirável quanto foi Waldir Pires, falecido neste 22 de Junho.
Sua atuação política vem dos tempos do governo Getúlio Vargas, assumindo a função de Consultor Geral da República no governo Jango. Foi, ao lado de Darcy Ribeiro, um dos últimos membros do governo a sair de Brasília após o Golpe de 1964 (para ele, feito pelas mesmas forças do ataque de 1954 e do golpe de 2016), rumo ao Rio Grande do Sul. De lá, carregando duas latas com vinte litros de gasolina para abastecer, de improviso, um avião, viajaram para o Uruguai. Reencontrando a esposa Yolanda e os cinco filhos, conseguiu asilo e trabalho como professor, ajudado por Celso Furtado, em Paris, na França

Voltando ao Brasil em 1978, antes da Anistia, reativou sua participação política pelo MDB da Bahia. Com a posse de José Sarney, assume o Ministério da Previdência Social (1985-1986, quando saldou a dívidas da previdência. Foi um dos grandes defensores da criação do SUS, que se tornaria realidade em Setembro de 1988. Nos anos seguintes, foi deputado federal (1990-1994 e 1999-2003), Governador da Bahia (1987-1989), Ministro da Defesa no governo Lula (2006-2007) e vereador (2013-2016) em Salvador.

Considerado pelo jornalista Wanderley Diniz “um exemplo de caráter, retidão e dignidade”.

Waldyr foi membro do PDT e sua esposa Yolanda Pires foi diretora da Casa França-Brasil, no segundo governo de Leonel Brizola.