Na reunião do Diretório Estadual, nesta segunda-feira, dia 9, em que foram apresentados diversos novos filiados pedetistas aptos a concorrer às eleições do próximo ano, o presidente do PDT, Carlos Lupi, enfatizou a necessidade de o Partido ter candidatos proporcionais em no máximo possível de municípios fluminenses, e de categorias profissionais; e – primordialmente – ter fidelização de voto: “Nós precisamos ter a prática de votar com nossos candidatos. É isto que a população está esperando do nosso Partido’.

Para Lupi, se o Partido começar a trabalhar neste sentido – com vereadores, prefeitos, vice-prefeitos e deputados trabalhando os nomes dos candidatos apresentados pelo PDT – na eleição municipal seguinte, em 2020, vai aumentar substancialmente o número de representantes, nas cidades brasileiras.

Lupi informou que na reunião da Executiva com os presidentes dos diretórios estaduais, movimentos nacionais e parlamentares federais, em 7 de novembro, vai ser discutida uma resolução que regula o procedimento de seus candidatos. Será criada uma Comissão de Ética especial para julgar todo e qualquer desvio; que pode acarretar expulsão, com a consequente perda da candidatura.

Carlos Lupi fez uma explanação sobre as alterações, recentes, da lei eleitoral, cuja aplicação ocorrerá em duas etapas (2018 e 2020), em que será definitivamente proibida a coligação partidária.

Para ele, o PDT do Rio de Janeiro, como um partido orgânico, não terá dificuldade com a vigência desta legislação; até porque, com exceção da eleição de 1990, com o PCdoB, o Partido nunca fez coligação em nominata proporcional.

Mesac Eflaín

Coube ao deputado Zaqueu Teixeira fazer o discurso de boas-vindas ao subtenente bombeiro Mesac Eflaín, presidente da Associação dos Bombeiros Militares do Estado do Rio de Janeiro, e seu grupo, que inclui servidores públicos de diversas categorias.

Para Zaqueu, responsável pela vinda do grupo, Mesac é comprometido com a luta dos trabalhadores e dos servidores; esteve à frente de todo o processo de valorização dos bombeiros militares; e conclui afirmando que “esta força, esta experiência, esta vontade, esta militância que traz vai ser muito importante para a campanha de Ciro Gomes, nas ruas”.

Lupi, ao destacar a importância deste grupo, disse que Mesac Eflaín representa uma categoria fundamental para o povo – o que vem ajudar bastante nesta relação que PDT, desde os governos de Leonel Brizola, sempre teve com a população.

– “Por isto, o que é mais importante para nós é que vamos ter um militante. Não só um candidato com potencial eleitoral, mas um militante, atuante, que vai nos ajudar a abrir espaços de compreensão com o nosso povo”.

Em seu discurso, emocionado, Mesac Eflaín citou – além da família, presente – cada representante das entidades de servidores estaduais que o apoiam, com quem dividiu os 22 meses de lutas, sem tréguas, para garantir direitos adquiridos dos servidores públicos do Estado do Rio de Janeiro.

– “A gente sempre contou com o apoio da bancada do PDT: diante dos confrontos; diante daqueles protestos, que eram contundentes; da derrubada das grades; do batalhão de choque; de tudo que nós enfrentamos ali. E desde ante, lá atrás, quando ocupamos o Quartel Central, derrubamos o portão, ocupamos aquele espaço – que é a nossa casa – para exigir melhores condições de trabalho”.

Mesac disse que, depois de um projeto do deputado Zaqueu Teixeira, que beneficiava bombeiros e policiais militares, começou a prestar a atenção nele; e se aproximou mais da bancada do PDT, que foi fundamental para a tramitação de projetos de interesse dos servidores. Mesmo com a situação tão tensa, relembrou, a intermediação dos pedetistas, tornavam viável o diálogo.

– “É por isto que estou vindo para cá: porque aqui tem independência; vejo que aqui não é a ideologia do quanto pior melhor. E é por isto que estou vindo para cá; porque eu espero que a gente consiga levar isto para fora”.

Carro a gás

Cláudio Henrique Barack Obama, empreendedor, um dos intermediários da relação Brasil-China, apresentou o primeiro relatório sobre o Movimento de Empreendedorismo do PDT, cuja formação está sob sua coordenação.

Em seu relato, falou sobre um projeto – desenvolvido com três empreendedores da cidade paulista de Ribeirão Preto – semelhante ao UBER; porém, com uma diferença fundamental: enquanto o aplicativo internacional cobra uma taxa de 25%, o brasileiro apenas 1%.

Segundo Barack, este aplicativo tornou-se economicamente viável, porque o projeto foi apresentado aos chineses: “A diferença, é que deu para trazer a primeira indústria de carros elétricos para o Brasil, na cidade de Japeri”.

Pré-candidatura

O empresário Omar Peres, conhecido como Catito Peres, colocou seu nome à disposição do PDT para uma eventual candidatura a governador, mas declarou que, não sendo o escolhido, vai apoiar o candidato que o Partido escolher.

“Eu venho lá de trás; venho com Wilson Fadul, que foi Ministro da Saúde de Jango. Foi minha primeira aproximação com o Trabalhismo brasileiro”.

Omar Peres conta que sua aproximação com Leonel Brizola deu-se em 1994, quando reuniu, em sua casa, na cidade mineira de Leopoldina, mais de 20 prefeitos para discutirem com o então candidato à Presidência.