PDT oficializa apoio a Eduardo Paes

A Comissão Executiva do Diretório Estadual do PDT reuniu-se – com a presença de parlamentares, membros do Diretório Estadual, presidentes de movimentos e militantes pedetistas – ontem, 16 de outubro, no auditório da Fundação Alberto Pasqualini-Leonel Brizola, para formalizar apoio à candidatura de Eduardo Paes ao Governo do Estado, neste segundo turno das eleições estaduais.

Na abertura, o presidente nacional, Carlos Lupi, fez um relato sobre a reunião da Executiva Nacional, que decidiu por um apoio crítico à candidatura de Haddad, “o que significa não ficar do outro lado, que representa tudo que a gente luta contra”.

Para Lupi, além de aumentar em 50% a bancada federal, elegendo 28 deputados, a campanha de Ciro Gomes produziu um efeito importante para o PDT: na primeira fase de campanha, fez palestras em um número elevado de faculdades, Brasil afora. Esta série de debates sobre a situação brasileira, política e econômica, fez com que um enorme contingente de jovens se incorporasse à campanha, de forma ativa.

Como ficou decidido que, já no próximo ano, o PDT começará a organizar a candidatura de Ciro Gomes para a Presidência da República, é de fundamental importância a criação de “um elo de novas filiações ao Partido”, especialmente de jovens universitários; incentivando, inclusive “candidaturas desta garotada, porque não é idade que define um militante; mas a maturidade”.

Para Lupi, esta maturidade foi comprovada, na prática, nesta eleição. Para reforçar sua tese, citou o exemplo de Tábata Amaral, em São Paulo, que obteve 264 mil votos para deputada federal, aos 24 anos. Destacou, ainda, que Tábata participou de todos os atos partidários, desde sua filiação.

Eduardo Paes

Com a chegada de Eduardo Paes ­– aplaudido, de pé, pelos pedetistas –, teve início a segunda parte desta reunião, em que Carlos Lupi discorreu sobre os cinco itens que o Partido condicionou para o apoio à sua candidatura: defesa da Democracia e das liberdades individuais; defesa da soberania nacional; respeito absoluto à diversidade; desenvolver em todo Estado do Rio programa de educação inspirado nos Cieps, levando escola pública, de qualidade e em tempo integral para todos os municípios fluminenses; não privatizar a Cedae.

A resposta positiva a todos estes itens, feita por mensagem de voz por Eduardo Paes – neste dia 10: um dia depois de a Executiva Estadual se reunir para deliberar sobre o segundo turno – teve sua gravação reproduzida, por Lupi, para os presentes à reunião, na primeira fase, antes de sua chegada.

Eduardo Paes iniciou sua fala entoando o “lá, lá, lá, lá, lá, Brizola”, seguido por todos os presentes. Ao cumprimentar o plenário, destacou a deputada Cidinha Campos: ”Eu tive uma alegria na campanha de 2016: ter tido a Cidinha, junto com Pedro Paulo, formando a chapa. Se a gente tivesse ouvido mais a Cidinha, talvez a gente não tivesse esse governo tão ruim aqui na Cidade do Rio de Janeiro”.

Paes definiu como “um ato absolutamente natural; muito fácil assumir estes compromissos”, não só em respeito a toda História do PDT, aos valores que representa, como ao comportamento do presidente Lupi, em todos os acordos políticos anteriores: “É importante que se diga isto: em 2008, 2012, 2016, e agora de novo em 2018, a conversa do presidente Lupi é sempre republicana”.

Para reforçar este respeito à linha programática PDT, contou que, em 2009, primeiro ano de seu governo, “a gente veio com aquela coisa de choque de ordem, com um certo exagero na maneira que se abordava o trabalhador informal”. E prossegue:

– “Augusto Ribeiro pediu-me uma audiência, não como secretário, em que me lembrou: Eduardo, não esqueça de que quem o elegeu foi o povo mais humilde, o povo mais pobre desta Cidade; que está, hoje, na penúria, tentando ganhar seu sustento de forma honesta”.

Eduardo Paes conclui: “Isto fez com que eu fosse um Prefeito melhor”.