PDT divulga nota em defesa de Ciro criticando abuso da Polícia Federal

PDT faz nota de desagravo e classifica busca na casa de Ciro de “ação abusiva” da Polícia Federal

Em resposta à ação abusiva da Polícia Federal na casa do pré-candidato do PDT à presidência da República, Ciro Gomes; e de seus irmãos Cid Gomes, senador da República e Lucio Gomes – além de outras 11 pessoas, o Partido Democrático Trabalhista divulgou a seguinte nota oficial:

“Estamos assistindo agora, mais uma vez, um processo de antecipação eleitoral. Em uma decisão sem eira nem beira, sem qualquer justificativa, oito anos após os acontecimentos, se faz uma busca e apreensão na casa do nosso companheiro partidário Ciro Gomes – pré candidato do PDT à Presidência da República, baseado em uma delação premiada de uma obra pública onde, sabidamente, Ciro ao menos exercia qualquer função pública à época.

Está clara a tentativa de atingir sua imagem de homem público, com uso arbitrário das instâncias governamentais como agentes políticos. Esta medida escancara novamente a tentativa de aplicar no Brasil pré-eleitoral – assim como o ex-juiz Sérgio Moro o fez – de atacar honras públicas passando por cima de todas as ferramentas que o Estado Democrático de Direto garante. Importante ressaltar que a mais alta corte de Justiça do Brasil, o STF, já desqualificou todas as ações do então ex-juiz em relação a Operação Lava-Jato.

Ciro Gomes tem mais de 40 anos de vida pública sem qualquer tipo de acusação que o desabone nas suas muitas funções públicas exercidas. É um homem honrado e que conta com total apoio do PDT.

Nossos adversários não nos assustam. Este acontecimento nos dá ainda mais vigor para seguir em frente na nossa luta, que é de oferecer, através de um projeto com início, meio e fim, uma vida melhor ao povo brasileiro.

Seguimos na luta.”

LUPI

O presidente nacional do PDT, por sua vez, sobre o episódio, avaliou:  “Esta operação foi notoriamente uma ação política e só demonstra a nossa força. Ela fortalece Ciro”.

Mais cedo, pelo seu tweet, Ciro afirmou, sobre a presença de policiais em sua residência:

“Até esta manhã eu imaginava que vivíamos, mesmo com todas imperfeições, em um país democrático. Mas depois da Polícia Federal subordinada a Bolsonaro, com ordem judicial abusiva de busca e apreensão, ter vindo a minha casa, não tenho mais dúvida de que Bolsonaro transformou o Brasil num Estado Policial que se oculta sob falsa capa de legalidade”.

Os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, pelas redes sociais, manifestaram solidariedade a Ciro, pela ação truculenta da polícia federal.

Ciro, por sua vez, fez questão de relatar detalhadamente – pelos meios de comunicação e pelas redes sociais – o fato ocorrido. E até o jornal “O Globo” registrou que a operação da Polícia Federal contra os irmãos Gomes constrangimentos dentro da própria polícia.

Delegados disseram ao Globo que a ação tinha por objetivo apenas “fazer barulho” e um deles, não identificado pelo jornal, teria inclusive afirmado:  “Esse modelo ‘lava-jatista’ de fazer um barulho enorme, desgastar a imagem da pessoa para depois ver se acha alguma prova tem prejudicado a imagem da Polícia Federal”.

Ciro Gomes, nas várias entrevistas que deu a redes nacionais de rádio e televisão, fez questão de dizer que  “Bolsonaro transformou o Brasil num Estado Policial”. Ciro denunciou na CNN que o diário pessoal de sua esposa, Giselle, teve suas páginas fotografadas por um policial – em claro e absurdo abuso de poder.

CID GOMES

O senador Cid Gomes, por sua vez, afirmou pelo seu tweet:

“O que aconteceu hoje foi molecagem com objetivos politiqueiros. A PF é uma instituição muito respeitada, mas lamentavelmente está sendo completamente aparelhada pela sua direção.”

Em Fortaleza, em nota conjunta, a bancada do PDT na Assembleia Legislativa do Ceará, afirmou:  “Nós, deputados estaduais do Partido Democrático Trabalhista (PDT) do Ceará, repudiamos veementemente a operação da Polícia Federal deflagrada nesta quarta-feira (15) que teve como alvo o Senador Cid Gomes e o ex-ministro Ciro Gomes.

Uma ação notoriamente ilegal proferida por um juiz de 1ª instância. Por se tratar de um Senador da República, tal decisão caberia ao Supremo Tribunal Federal ou ao Superior Tribunal de Justiça. A operação ainda causa estranhamento por ser baseada em investigações de dez anos atrás, onde Ciro Gomes sequer possuía cargo público relacionado ao objeto da investigação, numa clara tentativa de intimidar a pré-candidatura de Ciro Gomes a presidência do Brasil por aqueles que temem o projeto de um país forte, desenvolvido e justo.

Toda nossa solidariedade e apoio a Ciro e Cid Gomes, pessoas íntegras e homens públicos honrados, que há décadas trabalham incansavelmente na construção de um Ceará e de um Brasil melhores para todos.

Seguiremos lutando diariamente por uma democracia plena, um país justo e solidário para cada brasileiro.”

Assinam a nota os deputados Evandro Leitão (presidente da Assembleia Legislativa do Ceará), Guilherme Landim (líder do PDT na Assembleia), Marcos Sobreira (vice-líder), Antônio Granja, Jeová Mota, Manoel Duca, Oriel Nunes Filho, Osmar Baquit, Queiroz Filho, Romeu Aldigueri, Salmito Filho, Sérgio Aguiar e Tin Gomes.

O jornal “Folha de São Paulo” divulgou a informação de que “a cúpula da Polícia Federal vetou pedido para realização de entrevista à imprensa que seria realizada no Ceará sobre a operação que realizou a busca e apreensão contra Ciro e Cid Gomes nesta quarta (15). A proibição, segundo dirigentes da PF, foi para evitar maior exposição e uso político da investigação”.

(por O.M. com mídia)

Veja denúncias de Ciro na rádio CBN

Assista a entrevista de Ciro à CNN

https://fb.watch/9W8P_lvXtX/

 

Assista também a íntegra da entrevista de Ciro ao canal de internet My News