PDT Digital

Com um plenário renovado pela presença de muitos jovens, o Diretório Regional do PDT do Rio de Janeiro se reuniu, ontem, 12 de novembro, no Auditório da Fundação Alberto Pasqualini – Leonel Brizola, em encontro mensal ordinário, em que foi feito um balanço do desempenho do Partido nestas eleições de 2018.

Já na abertura, o presidente nacional Carlos Lupi destacou, com ênfase, o desempenho de uma camada muito grande de jovens, com maioria de universitários, que se dedicou – de forma espontânea – à campanha de Ciro Gomes; não somente nas redes sociais, mas participando de reuniões e das ruas, distribuindo material de campanha.

– “É uma garotada linda de se ver trabalhar; que pegaram a bandeira do Ciro. Todos voluntários! Uma coisa que nos conquistou. E eu quero abrir o Partido para esta juventude: não é para carregar bandeira; é para ser protagonista”.

Lupi explicou que esta é uma decisão já tomada pela direção nacional, depois de reuniões com as instâncias partidárias e com a bancada federal recém-eleita – cuja avaliação unânime é de que “o grande salto que a gente fez, nesta campanha, foi conseguir chacoalhar, conseguir botar uma brisa que está queimando numa juventude que tem ideia, que tem projeto, que pensa Brasil”.

O presidente em exercício, José Bonifácio, fez um relato da primeira de uma série de reuniões que a Executiva Estadual vai promover no interior do Estado – esta ocorrida em oito cidades do Noroeste fluminense. Para que estes encontros tenham mais amplitude, Bonifácio convocou os presidentes de movimentos partidários para se integrarem a esta tarefa daqui por diante.

Estes eventos já fazem parte de um consenso – não somente na direção partidária; mas que ficou patente nas falas de todos os oradores: a campanha de Ciro Gomes, em 2022, passa pela municipal de 2020.

Por isto, o PDT precisa que os diretórios estaduais, municipais e zonais estejam revigorados: a forma mais eficaz para a preparação de quadros partidários, fundamentais para levar à população as bandeiras pedetistas. José Bonifácio lembrou que não mais vão ser permitidas as coligações partidárias.

Cirão Carioca

Durante a campanha, as propostas de Ciro Gomes – apresentadas, desde o ano passado, em inúmeras faculdades e escolas de ensino médio, em todo país – ganharam apoio maciço da juventude.

Com isto foram criados, espontaneamente, dezenas de grupos nas redes sociais. Durante a reunião de ontem, diversos jovens provenientes destes movimentos se apresentaram. Fernando Mendonça – que representou o Cirão Carioca – sintetizou, em seu discurso, os anseios e as propostas de todos.

No início de sua fala, disse que “o que fizemos no Rio de Janeiro foi histórico; porque, tirando o Ceará e o Distrito Federal, o Rio de Janeiro deu o segundo lugar para o Ciro Gomes”.

Sua militância e seu envolvimento nesta campanha trouxeram, para ele, a constatação de que Ciro conseguiu mobilizar a juventude, pessoas que estavam desgostosas da política para discutir o País: uma galera que enxerga no PDT uma esperança e “muitos deles estão vindo ao PDT”.

Fernando, ao dizer que tem muita gente nova chegando, dirigindo-se ao plenário, disse que iria pedir três coisas: “Primeiro, recepcionar esta galera; (…) a segunda coisa – como, presidente, o senhor colocou muito bem –, que se crie estruturas para se sejam recebidas estas pessoas; e a terceira, que é muito importante: muitos dessa galera não sabem a história do PDT. Queria pedir a cada companheiro que está aqui, que fale de Brizola, que fale de Darcy, que fale do Trabalhismo”.

PDT digital

Para o presidente Carlos Lupi, ficou patente, nestas últimas eleições, a importância da Internet em todas as campanhas. E lembrou, aos mais antigos militantes, que o PDT foi, na década de 80, o primeiro partido político a ter uma página na Internet: “Usava até um slogan – PDT, primeiro partido na Internet. E eu quero que o PDT seja o primeiro partido digital: PDT Digital”.

Neste sentido, explica, pode até acarretar a necessidade de mudança do estatuto; porque a ideia é que, em cada diretório, coexistam o PDT formal e o PDT digital, pois “nesta era em que vivemos, não adianta ter um diretório e a gente não conseguir fazer interlocução com a sociedade”.

Para que isto aconteça, acrescentou, a direção nacional já está trabalhando, em diversos estados, com um grupo de jovens, “e eu quero apresentar, ainda neste ano, um projeto de organização sobre o que é este PDT Digital”.