Paulo Ramos na convenção do Mapi que reelegeu Zezé Latgé: “PDT não pode aceitar Rodrigo Maia na vice de Ciro”

Por Osvaldo Maneschy

“O PDT não pode aceitar Rodrigo Maia como vice na chapa de Ciro Gomes em 2022 porque Rodrigo é o principal aliado de Paulo Guedes no desmonte da economia e da soberania nacional – via privatizações”, alertou o deputado federal Paulo Ramos ao participar, ao lado do secretário-geral do PDT, Manoel Dias, da convenção estadual do Movimento dos Aposentados, Pensionistas e Idosos (MAPI) sábado (08/2) realizada na sede da Fundação Leonel Brizola-Alberto Pasqualini, no Rio de Janeiro, que reconduziu Maria José Latgé Kwamme à presidência.

Manoel Dias, por sua vez, considerou tímida a atuação da bancada do PDT no Congresso Nacional diante do desmonte da Nação “por esse governo miliciano que pratica crimes de responsabilidade e de lesa pátria, todos os dias”.  Segundo Dias, há necessidade dos deputados do PDT atuarem com mais firmeza em oposição ao governo “que está vendendo tudo, pedaço por pedaço” de empresas estratégicas para o país. “Nossa bancada está muito devagar, todo dia dá para fazer quinhentos discursos contra esse governo, mas parece que estamos anestesiados”, frisou Manoel Dias.

Segundo Paulo Ramos, o momento político nacional exige  muita paciência e sabedoria: “Nós não podemos deixar de nos aliar ao PT hoje, mesmo sabendo que quando eles estiveram no poder, se aliaram à direita e não consolidaram a aliança que tinham com os partidos de centro esquerda.  É duro tudo isto porque para nós não resta alternativa que não seja nos aliar ao PT para enfrentar este governo que aí está alinhado aos demais poderes, inclusive o Judiciário, privatizando tudo – Casa da Moeda, refinarias, Eletrobrás, etc”.

Cristina Rosa (E), Paulo Ramos, Zezé Latgé, Manoel Dias, Alzira Leite e Luis Oliveira

Frisou também que  “O governo está tomando iniciativas contra a soberania nacional irreversíveis, como a anunciada venda das ações da Petrobrás em poder do BNDEs –  éa direita no poder”.  Acrescentou ainda que o governo tem maioria no Congresso e para que tudo isto aconteça, tem sido fundamental a aliança entre Rodrigo Maia e Paulo Guedes.

“A economia está nas mãos de Paulo Guedes que, por sua vez, tem no Congresso firme aliança com o deputado Rodrigo Maia e também com David Alcolumbre, presidente do Senado, que como Rodrigo, também é o DEM – partido que passou a ser principal protagonista  da direita, tendo como caudatários o PMDB e o PSDB. Com as presidências da Câmara e do Senado nas mãos, a direita vota tudo o que quer e aprova tudo aquilo que é contra nosso programa, nosso ideário político”, destacou Ramos que antes de concluir, reiterou que Rodrigo Maia não pode ser vice de Ciro, e encerrou com a frase sempre usada em Brizola ao final de seus discursos, tirada do hino da independência: “Ou ficar a pátria livre, ou morrer pelo Brasil”

Manoel Dias, por sua vez, criticou os integrantes da maioria governista que, na sua opinião, vivem ali em outro mundo, verdadeiro “conluio criminoso” para aprovar tudo o que seja do interesse do atual governo, ignorando o povo.  “Essa gente não é de direita, o que temos no Brasil de hoje é fascismo, nazismo”, atacou.  Segundo Manoel Dias, como proposta política, o PT acabou e o que resta, hoje, é o Trabalhismo.  Maneca criticou também como “grande equívoco” as divergências entre Ciro e Lula porque “o que está em jogo é o povo brasileiro”.

Maneca elogiou a atuação de Paulo Ramos no Congresso porque “para enfrentar isso tudo, essa bandidagem, tem que ter muito peito e você pode ser a grande figura que o PDT e o Brasil precisam no Congresso porque não adianta o Lupi, sozinho, correr o país fazendo o que faz porque é líder e tem coragem pessoal para fazer”. O Congresso Nacional  tem muitos parlamentares sérios “e precisamos dar uma insuflada lá para melhorar o país”, afirmou.

Maria José, por sua vez, agradeceu a todos a sua recondução à frente do Mapi-RJ, além da direção nacional, através da chapa “Lealdade aos ideais do PDT”, e saudou os convencionais presentes especialmente aos que se deslocaram do interior do Estado – citou os municípios de Macaé, Rio Bonito, Niterói e São Gonçalo, entre outros – para estarem presentes e participar da convenção. Além de Maria José, na chapa foram eleitos Humberto Assumpção, Antônio Prudente e Jorge Ferrari como vice-presidentes; Cristina Rosa e Maria Aparecida (Cida), como secretárias; Antonio Ribeiro e Olga Amélia como tesoureiros; mais integrantes dos conselhos de Ética, Fiscal, Cultura, Previdenciário e Político, este último, entre seus participantes, Trajano Ribeiro, Toninho Albuquerque, Arildo Teles, Adail Ivan de Lemos, Carolino dos Santos e outros.

 

Leia também:

  1. https://www.bahianoticias.com.br/folha/noticia/66997-sob-lula-pt-autoriza-aliancas-com-centrao-psdb-dem-e-ate-psl.html