Patrícia Pillar afirma que Ciro “nunca foi machista”

A edição do jornal O Globo deste domingo (25) entrevistou a atriz Patrícia Pillar. Além de falar da supersérie ‘Onde nascem os fortes’, que estréia em abril, a atriz global defendeu Ciro Gomes, ao ser questionada como foi para ela a declaração que ele deu em 2002 – na época seu marido e candidato a presidente da República pela Frente Trabalhista, ao dizer que seu papel na campanha era dormir com ele.

“Convivi 17 anos com ele e ele nunca foi machista. Naquela campanha, ele era uma alternativa ao PT e ao PSDB, e estava super exposto, apanhando dos dois lados. Todas as entrevistas dele em que eu estava presente aparecia essa pergunta e sempre de forma provocativa. E, neste dia, já era a terceira ou quarta. Ele já tinha respondido que eu era sua companheira, que conversávamos sobre tudo, porque era isso mesmo, compartilhávamos um projeto de Brasil. Mas aí perdeu a paciência e deu aquela resposta infeliz”, disse ela.

Ainda de acordo com reportagem do jornal carioca, Patrícia disse que viu no episódio um sinal “desses tempos de hipocrisia”.

“Para uma pessoa que não se tornou cínica, é muito difícil aguentar certas coisas. Só que as pessoas muitas vezes preferem os cínicos, os ‘educados’, que dizem coisas incríveis, mas que fazem o oposto. Isso é terrível. Ele me pediu desculpas, e eu compreendi imediatamente, pelo cansaço e pelo esgotamento que vivi junto com ele”, afirmou.

Questionada novamente sobre o episódio, mas dessa vez se hoje, votaria em Ciro Gomes para presidente, a atriz foi assertiva.

“Voto nele, claro. O panorama ainda está indefinido (Ciro é pré-candidato pelo PDT), mas não há a menor chance de o meu voto não ser dele”, respondeu.

Leia a íntegra da entrevista em  https://oglobo.globo.com/cultura/revista-da-tv/patricia-pillar-comenta-feminismo-assedio-eleicoes-ciro-gomes-22523866#ixzz5ArInQswX