No Rio, em São Paulo e Minas Gerais o PDT tem que estar na majoritária.

Por Apio Gomes  –  10/04/2018  –

“PDT. Em que posso ajudar?”. Com esta frase – dita, sempre, pelo professor Loureiro ao atender seu telefone; não sem antes pedir licença a quem estivesse presente, e se afastar um pouco – citada após um minuto de aplausos de todos de pé, no auditório da Fundação Leonel Brizola-Alberto Pasqualini, o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, iniciou a reunião do Diretório Estadual do Rio de Janeiro, nesta segunda-feira, 9 de abril.

– “Ele estava com 88 anos; sofreu um pouquinho (ficou hospitalizado quase quatro meses). Ele estava em todas as reuniões. Todas! Não faltava a uma: aqui, em Brasília ou aonde fosse chamado. Está nos iluminando, ainda”; assim concluiu Lupi sobre este pedetista desde a fundação do Partido, do qual era Tesoureiro Nacional.

Em seguida, fez um detalhado relato, sobre situação partidária, após o término da janela de transferência encerrada no sábado passado. Em alguns estados – como Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Amazonas e Amapá – as pré-candidaturas já estão definidas; em outros, o cenário ainda está sendo montado.

Segundo Lupi, em três estados – Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, que concentram quase 42% do eleitorado brasileiro – o PDT tem que estar na majoritária para viabilizar a campanha de Ciro Gomes: “O ideal é que neles o Partido tenha candidatos ao governo”.

No Rio de Janeiro, está sendo esperada a resposta da deputada Martha Rocha – candidata ideal para o PDT, segundo inúmeras manifestações de membros da Executiva, dos movimentos e militância em geral – ao convite do Diretório Estadual.

Em relação ao episódio da prisão do ex-Presidente Lula, Lupi explicou que tem muita solidariedade a ele – humana e política; mas o não comparecimento à sede do sindicato deveu-se ao fato de estar em Belém do Pará; e Ciro Gomes, no exterior (fez palestra na Universidade de Harvard); “mas nós vamos fazer uma visita a ele, na cela; não é campanha – é solidariedade humana”.

Candidatos

Em seguida, com a ausência de Carlos Lupi, para cumprir compromisso externo, o presidente em exercício do Diretório Estadual, José Bonifácio, assumiu o comando da mesa.

Antes de – como de praxe – passar a palavra aos membros do Diretório inscritos, convocou os pré-candidatos a deputado federal e estadual para se apresentarem. Cerca de 20 pré-candidatos falaram sobre suas experiências e o que os motivaram a se filiar ao PDT.

Bonifácio pediu, especialmente aos companheiros recém-filiados, com intenção de serem candidatos ou não, que se dedicassem ao máximo, neste curto espaço de tempo do calendário eleitoral. Disse que, quando alguém pergunta se tem a vaga garantida, sua resposta é: “Quem garante a vaga é você”.

Citou um exemplo: não é possível que o pré-candidato, desde já, não esteja envolvido com a pré-campanha do Ciro; e concluiu:

– “A partir de agora, que já foram definidas as filiações, nós vamos começar as reuniões com os pré-candidatos, com objetivo de esclarecer pontos da legislação; e sobre as propostas do PDT para o Rio de Janeiro e para o Brasil, principalmente aquelas que chamamos de nossas cláusulas pétreas. Nós vamos precisar nos encontrar muito”.