Martha percorre Centro de Madureira e conversa com diretores da Associação Comercial do bairro

A delegada Martha Rocha, candidata do PDT a prefeita do Rio de Janeiro,  defendeu hoje (05/10) o compartilhamento das câmeras de segurança do comércio de Madureira pelo Centro de Operações Rio (COR-Rio) como forma de ampliar o monitoramento da região e melhorar a segurança local.  A candidata da Coligação “Unidos pelo Rio” (PDT –PSB) falou na sede da Associação Comercial de Madureira, sobre seus planos de governo e detalhou o programa “Territórios Seguros”, que priorizará seis bairros de grande concentração de comércio da cidade, entre eles, Madureira.

— A gente sabe como é importante cuidar da segurança de Madureira para poder fomentar a atividade comercial. Para que o público possa vir aqui com tranquilidade, para que o consumidor possa atender a uma ligação, sem se preocupar em correr para dentro de uma loja para não ter o celular roubado — afirmou Martha.

Segundo Martha Rocha, o projeto atuará com base na análise permanente de dados e pontos quentes (manchas criminais), utilizando a Guarda Municipal, que irá atuar no combate aos chamados “crimes de oportunidades” (como furtos, roubos etc.), para reduzir a incidência destes delitos em regiões de importantes centros comerciais e com elevada densidade populacional, como Centro, Copacabana, Bangu, Campo Grande, Tijuca e Madureira.

O presidente da Associação Comercial de Madureira, Horácio Afonso, defendeu o retorno das atividades das Regiões Administrativas e reclamou da situação de abandono do bairro:

— Madureira é um dos maiores polos comerciais e de prestação de serviço da cidade e está abandonada. Arrecadação de impostos caiu muito por conta da pandemia.

Segundo ele, o que mais vem afetando o bairro é a desordem urbana.

— Há falta de comando na gestão municipal. Não tem Guarda Municipal para organizar o trânsito, para cuidar da desordem. Madureira tem potencial de turismo, mas faltam apoio e estrutura — criticou Horácio.

Martha afirmou que a situação de abandono se reflete em toda a cidade e que a ausência de guardas municipais na região é problema de falta de gestão.

— A gente tem andado por esta cidade, e em todos os locais que a gente vai, em todas as áreas, a gente encontra o abandono e a desordem, que não ajudam a absolutamente ninguém.  Eu conheço muito bem Madureira. Eu fui criada na Penha e toda vez que a gente queria uma coisa mais bonita a gente vinha comprar em Madureira. Sei da importância deste comércio para toda a região — afirmou.

Segundo a candidata, reclamações sobre a falta a inoperância das regiões administrativas ou superintendências têm sido frequentes:

— Quando estive na Câmara Comunitária da Barra ouvi estas mesmas queixas. Lá eles até fizeram um pedido para deixar de ser superintendência e passar para subprefeitura porque, no entendimento deles, o nome subprefeitura daria uma noção de empoderamento às atividades que possam ser realizadas. Mas o problema das regiões e superintendências não é o nome, mas a barganha política — apontou a delegada.

Segundo ela, mais do que articulações políticas, a comunidade tem o direito de acessar à prefeitura e acompanhar a realização de obras e serviços sem precisar de padrinhos políticos:

— Nós vamos criar o gabinete digital em que todas as pessoas possam acompanhar as ações. Se assim desejar o povo do Rio de Janeiro, da minha cidade querida, eu serei a prefeita do diálogo, terei uma gestão aberta, transparente, com este canal de interlocução.

Depois do encontro na Associação, Martha Rocha e o vice, o produtor cultural Anderson Quack saíram em caminhada pela Estrada do Portela, onde foram recebidos com carinho por moradores e frequentadores da região.