Martha, em coletiva no PDT, diz que não pretende apoiar nenhum candidato no 2º turno

Em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (16) na sede do PDT, no Centro do Rio, a delegada Martha Rocha, terceira colocada na eleição à prefeitura do Rio pela Coligação “Unidos Pelo Rio” (PDT – PSB), disse que não pretende apoiar candidatos no segundo turno por conta dos ataques e mentiras que sofreu ao longo da campanha. “Uma decisão do Ministério Publico demonstra a conduta misógina que sofri”, lembrou.

O presidente do PDT, Carlos Lupi, anunciou por sua vez, que a direção vai se reunir.

— Vou propor ao partido que a gente não apoie ninguém. O partido não deixará que nenhum militante seu use a sigla, bandeira, história do partido para apoiar qualquer candidatura. Ninguém do PDT pode negociar cargo e terá autorização do partido para qualquer cargo. Quem o fizer, fará por conta própria a escolha do caminho, porque o nosso caminho é estar ao lado da nossa causa. Reconhecemos o resultado e desejamos boa sorte pro povo brasileiro, para o carioca principalmente, que tenha lucidez no voto. Mas nenhum dos dois merecem que estejamos no palanque — anunciou Carlos Lupi, presidente nacional do PDT, segundo o jornal “O Globo”.

Martha agradeceu o carinho da população com a sua candidatura e criticou a pesquisa Ibope divulgada no dia anterior à eleição com resultado que se revelou errado e prejudicou sua campanha, revertendo votos úteis já conquistados e  impedindo a migração de mais votos.

“Se houve um erro técnico na análise da pesquisa ou proposital, o futuro vai responder. Agora, eu não tenho a menor dúvida de que essa pesquisa errada sinalizou para algumas pessoas a desistência do voto útil”, afirmou Martha, que também aproveitou para agradecer a oportunidade de ter representado o PDT na eleição, bem como o apoio do PSB.

Ela também destacou a amizade que se formou entre ela e o seu vice Anderson Quack ao longo da campanha e elogiou o empenho dos militantes dos dois partidos. “Obrigado a todos que nos ajudaram. Deixo um abraço muito especial aos militantes do PDT e do PSB que estiveram sempre conosco”, disse, destacando ainda que continuará defendendo “os interesses da cidade e do estado” na Assembleia Legislativa.

Lupi aproveitou o momento para agradecer a dedicação da Martha. “Você fez uma campanha altiva. Foi atacada de forma covarde, desonesta por quem não sabe respeitar as mulheres e a história que você conquistou na sua vida. Nós temos muito orgulho do que você representou para a gente”, elogiou o presidente do PDT, que também fez questão destacar a importância do Anderson Quack ao longo da campanha.

O presidente estadual do PSB-RJ, o deputado federal Alessandro Molon, reiterou as críticas da Martha sobre a pesquisa divulgada no sábado à noite. Ele concordou que a prévia serviu para retirar votos úteis e prejudicou as chances da campanha de chegar no segundo turno.

“Não queríamos apenas estar no segundo turno. Nós queríamos vencer para mudar os rumos da cidade”, declarou Molon, que finalizou: “Continuaremos sempre disponíveis para construir a unidade em torno de uma chapa Progressista em  condições de vencer as eleições”, afirmou.

O colunista Ancelmo Góes, do Globo, informou hoje (16/11) que o ministro Edson Fachin votou contra a concessão de liminar a Marcello Crivella no processo no TSE em que o prefeito é acusado de usar a máquina pública para tentar eleger em 2018 o filho, Marcelo Hodge, deputado federal, sem sucesso. Com isso, fica empatado em 1 a l a ação que pode tornar o prefeito inelegível. Ainda faltam cinco votos, ou seja, essa novela ainda não acabou.