Lupi reverencia Brizola e lança pré-candidatura de Rodrigo Neves

Em São Borja (RS), berço do Trabalhismo, Lupi reverencia as memórias de Leonel Brizola, Jango e Getúlio Vargas

*Por Bruno Ribeiro /  Lauri Bernardes /  OM / ‘Toda Palavra’

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, acompanhado de lideranças nacionais do PDT, mais os deputados federais gaúchos Pompeo de Mattos e Affonso Motta,  homenagearam hoje a memória de Leonel Brizola em São Borja (RS)  no 17° aniversário de seu falecimento em ato em que também  estiveram presentes, entre outros,   o ex-prefeito de Niterói, Rodrigo Neves; o presidente do PDT-RS, Ciro Simoni, a deputada estadual Juliana Brizola (PDT) e o coordenador de Trabalho e Renda de Niterói, o ex-ministro do Trabalho e ex-deputado federal Brizola Neto; além do vice-presidente do Movimento Cultural Darcy Ribeiro.

Perante o jazigo de Brizola, Lupi promoveu um tributo emocionado para “reverenciar a história do herói da pátria brasileira”.

“Nosso coração está junto do ‘velho Briza’ onde ele estiver. Pela saudade que ele deixa, força da lembrança que ele traz e ideias que não morrem jamais”, comentouLupi, ao mencionar que, por causa da pandemia, 2020 representou o único ano sem a rotineira visita. Destacando a importância da pré-candidatura de Rodrigo Neves a governador do Rio de JaneiroLupi indicou a articulação para disputar os governos gaúcho e fluminense.

“Romildo Bolzan, governador do Rio Grande do Sul, e Rodrigo Neves, governador do Rio de Janeiro, para resgatar a memória, a história, o compromisso popular e o amor profundo ao povo brasileiro”, projetou.

Além de Lupi, Rodrigo foi saudado pelo ex-ministro do Trabalho, Brizola Neto, que apontou as coincidências nas trajetórias do ex-prefeito niteroiense e de seu avô.  “Quer o destino, Rodrigo, que tu estejas repetindo a mesma trajetória que fez o Brizola, que saiu de Portugal quando deixou o exílio, chegou por São Borja e daqui foi parar no Palácio Guanabara. Quer o destino que tu estejas repetindo essa trajetória para ser o homem que vai resgatar no Rio de Janeiro o legado deixado pelo Brizola, recolocando o estado no rumo do desenvolvimento e da justiça social, trazendo de novo esperança para o nosso povo, especialmente para as nossas crianças”, afirmou Brizola Neto.

Rodrigo, que chegou neste fim de semana de Portugal participou pela primeira vez de uma tradição dos líderes trabalhistas, que anualmente costumam visitar o cemitério de São Borja, onde estão enterrados os ex-presidentes Getúlio Vargas e João Goular, além do ex-governador Leonel Brizola, para homenageá-los. Além de Brizola Neto, a família do ex-governador estava representada pela sua irmã, a deputada estadual Juliana Brizola, e pelo neto do de Jango, Christopher Goulart. 

Desde o início do ano em Portugal, cursando doutorado na Universidade de Lisboa, Rodrigo desembarcou no Brasil, vindo da capital portuguesa, e foi direto para São Borja a convite de Carlos Lupi. Lançado na política pelo PT e depois de uma breve passagem pelo PV, ele se filiou ao PDT durante o seu segundo governo em Niterói. No entanto, falando em São Borja, Rodrigo fez questão de lembrar o passado brizolista da sua mãe, professora que lecionou em escolas estaduais durante os governos Brizola no Rio de Janeiro, e enfatizou a condição de Niterói como uma “cidadela do Trabalhismo”.

“Desde a redemocratização, há trinta anos Niterói tem governos trabalhistas. Talvez não tenha uma cidade com uma continuidade de governos trabalhistas tão expressiva como Niterói. Não é à toa que Niterói tem o maior índice de desenvolvimento humano do Rio de Janeiro. Não é à toa que Niterói é a única cidade da Região Metropolitana do Rio que não tem milícias dominando territórios, porque lá nós temos educação, saúde, proteção social nas áreas mais vulneráveis e não é à toa que Brizola tinha um carinho especial por Niterói. Se os Cieps não tivessem sido abandonados, nós não estaríamos perdendo no Rio de Janeiro tantos jovens, tantas crianças para a violência”, disse o ex-prefeito.

Rodrigo  valorizou a integração do PDT e o potencial que as referências brizolistas representarão na disputada do Palácio Guanabara, sede do governo do Rio.  “Fazer a memória de Brizola é também, além de honrar sua história, pensar na construção do Rio de Janeiro e do Brasil na perspectiva da  soberania, da justiça social e da defesa da democracia”, disse.

“São Borja, terra de Getúlio, Jango e fazendo a memória desse grande guerreiro do povo brasileiro, Brizola. Brasileiro que defendeu o Brasil, nosso povo mais humilde. No Rio de Janeiro, construiu uma história extraordinária, o melhor projeto de educação da história do nosso país, os Centros Integrados de Educação Pública”, salientou.

Também fizeram uso da palavra os deputados Pompeo de Mattos, Affonso Mota.

(Com jornal “Toda Palavra”)

Veja a íntegra da fala de Rodrigo Neves em São Borja aqui:

: