Lupi, em debate com prefeitos, propõe um novo pacto federativo

Presidente nacional do PDT indicou que mudança potencializará serviços públicos, como a educação

*Por Bruno Ribeiro / PDT-RJ

A necessidade de um novo pacto federativo foi evidenciada pelo presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, no seminário virtual “Educação, pandemia e futuro das cidades”. Realizado nesta terça-feira (1) pela Fundação Leonel Brizola – Alberto Pasqualini (FLB-AP), o encontro reuniu lideranças nacionais do executivo e legislativo.

“Nós temos que rediscutir o pacto federativo. Não dá para os municípios ficarem pedindo esmolas aos governos estaduais e federal. Não pode a União ficar com 65% de todo a arrecadação do PIB (Produto Interno Bruto) nacional”, disse, com a indicação de que a mudança potencializará a qualidade dos serviços públicos.

“E os prefeitos e governadores ficam de pires na mão dependendo do bom humor, da boa vontade de um governante, como é o caso, hoje, do profeta da ignorância [Jair Bolsonaro], que vira as costas para a população”, completou, ao citar o êxito do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), presente no debate, na articulação para derrubar o veto presidencial sobre seu projeto de lei 3477/20, que amplia o acesso à internet para alunos e professores nas escolas públicas.

O evento também contou com o ex-prefeito de Niterói (RJ), Rodrigo Neves, os prefeitos de Sobral (CE) e Japeri (RJ), Ivo Gomes e Fernanda Ontiveros, respectivamente, a presidente nacional do Movimento Trabalhista pela Educação (MTPE) do PDT, Maria Amélia, e o secretário de Educação de Niterói, Vinícius Wu.

Prioridade

Sobre a atuação do PDT e as pré-candidaturas de Ciro Gomes ao Palácio do Planalto e de Rodrigo Neves a governador do Rio, o presidente enalteceu a capacidade e preparação dos seus representantes para promover gestões que supram as necessidades das camadas mais vulneráveis do Brasil.

“Esse PDT está fadado ao poder. É a gente ter a consistência e eficiência que vocês têm. […] A nossa vocação é servir a essa sociedade que precisa da gente, esse povo mais humilde”, exaltou.

“A educação de qualidade, que quebra barreiras, fronteiras e muros. Só a educação liberta, como falava o professor Darcy Ribeiro. É muito bom ver vocês engajados e enraizados nessa questão”, acrescentou.

E exemplos trabalhistas de sucesso foram citados por Rodrigo Neves e Ivo Gomes durante suas intervenções, incluindo os projetos nas áreas de gestão e educação.

“Niterói tem o melhor índice de desenvolvimento humano do estado do Rio de Janeiro. Nós temos um plano estratégico que estruturamos   com a participação de milhares de cidadãos convergindo para um objetivo comum: transformar a cidade em um dos melhores lugares para viver e ser feliz”, relatou Neves, relembrando os últimos 30 anos de experiências pedetistas e a continuidade com o atual prefeito, Axel Grael.

“O nosso projeto começou em 97. 24 anos de muita dedicação. […] Educação é tudo. Precisa investir, pois sem ela não existe igualdade e liberdade”, relatou Ivo, ao mencionar a passagem do atual senador Cid Gomes (PDT-CE) na gestão municipal e valorizar a recente inauguração de uma escola com o nome de Darcy Ribeiro.

Para Fernanda Ontiveros, a troca de experiências entre os pedetistas representa um diferencial para o desenvolvimento das cidades administradas pelo partido. Ao mencionar o começo do seu primeiro mandato na prefeitura, comentou que visitou cidades, inclusive no Ceará, para conhecer projetos exitosos no ensino.

“Eu acredito muito nas políticas públicas, principalmente sociais. A educação será um norte do meu governo”, colocou.

Qualificação

Sobre o investimento na formação dos professores, Maria Amélia resgatou uma medida adotada por Darcy Ribeiro nos Centros Integrados de Educação Pública (CIEPs) do Rio: a indução docente, que é a qualificação integrada com o dia a dia do ambiente de ensino.

“Professores eram formados pelos mais experientes da escola e ganhavam uma bolsa, que correspondia com o salário básico. E nós íamos a todos os 500 CIEPs para mostrar que escola era essa”, detalhando a iniciativa “escolanovista” de inserir o aluno no eixo central do processo de construção do conhecimento.

Nesse sentido, Vinícius Wu anunciou que Niterói criará, nos próximos meses, a “Casa da Avaliação e da Formação Continuada”, a partir da absorção do método implantado em Sobral.

 “Estamos fazendo um conjunto muito amplo de ações. Investindo para minimizar os efeitos da pandemia sobre a escola pública. […] Dando sequência ao que o Rodrigo desenvolveu e montando uma das maiores estruturas de políticas públicas”, garantiu.

Confira a íntegra do debate aqui.