Lupi e Paulo Ramos acusam Paulo Guedes e assessor em ação popular por fraude bilionária contra fundos de pensão de empresas estatais


Por Wellington Penalva
13/07/2020

Ação Popular tenta impedir dano ainda maior do que a bilionária fraude do ministro nos fundos de pensão

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, entrou hoje (13) com uma Ação Popular contra o ministro Paulo Guedes e a União Federal pedindo o afastamento do secretário especial do Ministério da Economia, Esteves Pedro Colnago Júnior, investigado por envolvimento em crime de fraude bilionária em fundos de pensão estatais – bem como o próprio titular da pasta, ministro Paulo Guedes.

De acordo com a operação Greefield da Policia Federal (PF), Guedes pode ter causado um prejuízo de mais de R$ 1 bilhão aos cofres públicos, entre 2009 e 2013, com fraudes em fundo de pensões. As investigações apontam Pedro Colnago como um dos gestores que favoreceram o agora ministro – no esquema.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Pedro Colnago cometeu crime de gestação temerária na “Fundação dos Economiários Federais (FUNCEF) – fundo de pensão dos funcionários da Caixa Econômica Federal (CEF) – para permitir a aquisição de cotas do FIP Sondas (empresa da qual o ministro é acionista), “em flagrante prejuízo à FUNCEF”.

Lembrando que a Caixa Econômica Federal está subordinada ao Ministério da Economia, o documento assinado pelo presidente nacional do PDT argumenta: “A referida nomeação é consubstanciada em flagrante desvio de finalidade, porquanto há um acinte ao princípio da moralidade no trato da coisa pública […] Colnago Júnior pode criar obstáculos às ações de investigação, mormente nas questões ligadas à FUNCEF”.

A Ação Popular pede ainda que os fundos de pensão envolvidos no caso –PETROS, POLTALIS, PREVI, além do FUNCEF e outras entidades – forneçam “informações sobre o processo de decisão de investimento no FIP BR Educacional (empresa da qual Paulo Guedes é acionista)”.

 

Íntegra da Ação Popular