Lupi e Ciro entram no STF com notícia-crime contra Bolsonaro por politizar pandemia

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi e o ex-ministro Ciro Gomes entraram nesta quinta-feira (7/1) com uma notícia crime no Supremo Tribunal Federal (STF), contra o presidente da República, Jair Bolsonaro, por politizar a pandemia do coronavírus e por não ter apresentado ao menos uma data para iniciar a imunização da população brasileira contra a Covid-19, com mais de 40 países já aplicando as vacinas disponíveis no mercado. Protocolada, a ação cita “esforços hercúleos” de Bolsonaro “para entronizar o negacionismo e a ignorância diante da ciência”.

No documento de 17 páginas, os líderes do PDT afirmam que o chefe do Executivo atenta contra a vida do povo e pisa sobre cadáveres “com suas decisões equivocadas e delírios”.

“Considerando que os fatos narrados na presente notícia crime evidenciam a ocorrência de ilícitos supostamente perpetrados pelo Presidente da República no curso do mandato, recai sobre este Egrégio Supremo Tribunal Federal a competência originária para apreciar esta denúncia”, argumentam no documento.

“Estamos correndo contra o tempo durante a maior pandemia da história da humanidade, e como se não bastasse, ainda precisamos combater esse discurso ignorante e negacionista de quem deveria trabalhar pela vida dos brasileiros para sairmos dessa situação. É criminoso assistir diariamente o chefe do Executivo atentar contra a vida do povo e pisar em cima dos cadáveres de quase 200 mil mortos (nesta quinta-feira, o Brasil ultrapassou a marca) com suas decisões equivocadas e delírios que atravessam a linha do senso comum e da ciência”, afirmou Lupi, ao protocolar a denúncia no STF.

Em sua conta no Twitter, Ciro Gomes anunciou a ação no STF.

 

Leia a íntegra da petição inicial do PDT encaminhada ao Supremo Tribunal Federal