Lula-Alckmin – uma ideia cujo tempo já passou

Por Leo Lupi

A possibilidade de uma chapa Lula-Alckmin soa desnecessária, despropositada e, ainda que olhada de forma otimista, tardia.  Afinal, PT e PSDB (partido em que Alckmin passou toda a sua vida) já poderiam ter dialogado em outros momentos. Poderiam ter dialogado quando a crise política se acentuou no início da última década, e, quem sabe, evitado o fatídico impeachment ou a eleição de Bolsonaro.

Lula e FHC poderiam ter dialogado em diversos momentos, mas preferiram rivalizar entre si e dialogar com Sarney, Renan, Eunício, Temer, Cunha. PT e PSDB praticaram o mesmo modelo econômico, monopolizaram a política eleitoral até 2018 e são totalmente responsáveis pelo que o Brasil é hoje. Para o bem e para o mal.

Praticaram a mesma política tóxica e bélica frente às câmeras, se recusando ao diálogo nos momentos em que o país mais precisou. Agora, já imersos na tragédia Bolsonaro e num cenário em que Lula pode até mesmo vencer no primeiro turno, o diálogo é tardio, atrasado e desnecessário.

Tendo a oportunidade de ouro de apresentar um novo horizonte, Lula se acomoda em prometer resgatar seus governos anteriores.

Agora, com Alckmin, com ainda mais cara de passado e de atraso.

 

Leo Lupi é jornalista.