“Indústria cultural é fundamental para crescimento do Rio’, diz Martha em reunião com grupo “Nós do Morro”

Martha, ao lado de Anderson Quack (PSB),  defende a cultura como chave para retomar crescimento econômico

Convicta de que a retomada da economia carioca passa necessariamente pela cultura e todas atividades que o setor movimenta junto na cidade, a delegada Martha Rocha, candidata da Coligação “Unidos Pelo Rio” (PDT – PSB) à Prefeitura carioca, e seu vice, o produtor cultural Anderson Quack, estiveram, na tarde desta terça-feira (11/11), a quatro dias da eleição, no morro do Vidigal, celeiro de um dos movimentos culturais mais importantes do Brasil, o grupo “Nós do Morro”.

Os dois conversaram com representantes da entidade e ouviram reivindicações para a continuidade do trabalho que já formou mais de 12 mil jovens em diversos segmentos da arte. Nesse período de quase trinta anos de atuação foram montadas 25 peças profissionais, além de terem sido produzidas curtas-metragens e uma série de TV.

— Quando a gente anda pelo Vidigal, a gente vê o quanto esta comunidade respira e transpira cultura. E a gente tem aqui um dos mais belos projetos que é o “Nós do Morro”. Um projeto que foi além da cidade do Rio de Janeiro, além do Brasil. Tem um reconhecimento internacional e nós precisamos fortalecer estes projetos — afirmou a candidata.

A delegada criticou o desmantelamento das políticas para a cultura da cidade pela atual administração e se comprometeu a investir no setor:

— Estes projetos vão conquistar a recuperação econômica da cidade. Mais do que isso, é através da cultura que nossos jovens e nossos adolescentes vão ter uma nova perspectiva de vida, vão olhar para o futuro, como um futuro diferente. Poderão ser atores, atrizes, dançarinos, diretores de teatro e produtores culturais, como meu vice, Anderson Quack — lembrou Martha — E poderão trabalhar na fotografia, poderão trabalhar como câmera, em uma infinidade de atividades culturais.

— Vamos incentivar atividades culturais e artísticas no Rio, criando pontos de cultura. O Nós do Morro é um exemplo do quanto é fundamental investir na cultura, fortalecendo a formação de jovens e crianças — disse Anderson Quack, que atua na área cultural como produtor e cineasta.

A delegada e Anderson agradeceram o carinho com que foram recebidos na sede do projeto e parabenizaram o grupo pela luta pela cultura criativa.

— Toda vez que eu pensar no Vidigal, eu vou me lembrar deste momento em que eu fui tão bem recebida aqui e quero agradecer a todo mundo que me recebeu, nesta vista maravilhosa que encanta os nossos corações e desse compromisso que essa comunidade tem com a cultura. Fica aqui o compromisso da prefeita com a cultura.

E na primeira e verdadeira chance de ter uma mulher prefeita na cidade do Rio de Janeiro, esse compromisso com a cultura que é tão importante aqui no Vidigal.

Depois Martha e Anderson Quack caminharam pela comunidade e se reuniram com o presidente da Associação de Moradores da Vila do Vidigal, onde assinaram um termo de compromisso para a recuperação e conservação de ruas internas e da Avenida Presidente João Goulart, e para a construção de uma Clínica da Família na comunidade. Segundo o presidente da associação, Marcio de Faria, a clínica que funciona hoje não suporta mais a demanda do morro, que tem aproximadamente 35 mil moradores.

— Na nossa administração, na saúde, a gente vai priorizar a atenção básica. E quero aqui defender também os direitos da mulher. Eu falo em defesa das mulheres porque boa parte da minha vida eu trabalhei atendendo a mulheres vítimas de violência doméstica e eu tenho a absoluta certeza de que neste momento em que eu estou aqui no Vidigal, alguém com certeza entende do que eu estou falando, do que representa a violência contra a mulher.

A delegada lembrou a difícil vida de centenas de milhares mulheres que são responsáveis financeiramente por suas famílias, e enfrentam longas filas e dificuldades para garantir o atendimento médico a seus filhos:

— E eu sei que hoje muitas famílias precisam do salário das mulheres. Então, as mães têm que deixar seus filhos numa escola de qualidade. As mães precisam deixar seus filhos na creche. Hoje, a creche é uma das grandes preocupações das mulheres, inclusive para entrar na creche, a criança tem que ter seis meses de idade, e boa parte das mulheres tem que voltar a trabalhar a partir do quarto mês de idade das crianças — afirmou Martha para defender que em seu governo vai reduzir para quatro meses a idade mínima para a matrícula de crianças nas creches do município.

Fonte: Ascom Martha, fotos Samuel Barcellos