Hésio Cordeiro, um dos criadores do SUS e ex-Reitor da UERJ no governo Brizola, morre no Rio de Janeiro

Morreu este domingo (08/11) aos 78 anos, vítima de Covid, o médico Hésio Cordeiro, uma das maiores referências na saúde pública brasileira, um dos artífices da criação do Sistema Único de Saúde (SUS), também Reitor da Universidade do Rio de Janeiro no Governo de Leonel Brizola. Mestre em saúde coletiva, Hésio também foi  presidente do Instituto Nacional de Assistência Médica e Previdência Social (Inamps) a convite do presidente Tancredo Neves. Em 2007, no governo do presidente Lula, foi diretor da Agência Nacional de Saúde Suplementar. Hésio lutava contra o Azhmeir e outras doenças degenerativas havia 4 anos.

Hésio Cordeiro nasceu em 21 de maio de 1942, em Juiz de Fora (MG).Graduou-se em medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade do Estado da Guanabara, atual Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), em 1965, e realizou no ano seguinte a residência em clínica médica. Em 1969 viajou aos Estados Unidos, como bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior e da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), para cursos evisitas técnicas a escolas de medicina preventiva.

Em 1971, ingressou como docente no Instituto de Medicina Social (IMS), instituição que ajudou a fundar na UERJ com o grupo de sanitaristas de Campinas encabeçado por Sérgio Arouca. Em 1983 obteve o título de mestre em saúde coletiva pelo IMS. Entre 1971 e 1978 trabalhou como consultor da OPAS para atividades de organização de serviços de saúde, tecnologia e recursos humanos. Atuou em vários países, como Argentina, Peru, Equador, Venezuela, Costa Rica, Nicarágua, Honduras, México e República Dominicana.

A atuação no movimento sanitário e no cenário político nacional lhe valeu o cargo de presidente do Instituto Nacional de Assistência Médica e Previdência Social, que exerceu de 1985 a 1988, a convite de Tancredo Neves. Foi responsável pela reestruturação do órgão e pela implantação dos Sistemas Unificados e Descentralizados de Saúde.

Em 1986 coordenou e presidiu os trabalhos da VIII Conferência Nacional de Saúde, quando foram ratificados os princípios da reforma sanitária iniciada na década de 1970: saúde como dever do Estado, universalização e integralidade na assistência à população, sistema único, descentralização, participação e controle dos serviços de saúde por seus usuários. Em 1988 recebeu o título de doutor honoris causa da Escola Nacional de Saúde Pública, por suas contribuições ao movimento sanitário, que culminaram com a implantação do Sistema Único.

Morreu neste domingo, vítima de Covid, o O Movimento Síndical do PDT lamenta a notícia recebida no último domingo do falecimento do Professor HESIO DE ALBUQUERQUE CORDEIRO, personagem que teve papel Importante e singular no PDT-RJ, inspirando perfil político de um trabalhista, sobretudo quando de sua administração como reitor da UERJ e na luta pelo fortalecimento do SUS.

Luiz Carlos Serfaim, presidente do Movimento Sindical do PDT-RJ, divulgou nota em homenagem a Hésio também convocando para a última homenagem ao grande médico e educador, cujo velório foi realizado ontem no Memorial do Carmo a partir das 9h30m, e cremação às 11h30m. al na Capital do PDT-RJ