Executiva do PDT da Cidade do Rio de Janeiro decide, formalmente, não apoiar Eduardo Paes nem Crivella

A executiva do diretório do PDT da Cidade do Rio de Janeiro, reunida na segunda-feira passada para analisar os resultados do 1º turno das eleições municipais, decidiu não apoiar formalmente “nenhum dos dois candidatos que disputarão o segundo turno das eleições no Rio de Janeiro”. Em nota oficial, a direção do PDT da capital afirmou: “O apoio ao atual Prefeito Marcelo Crivella é impensável em razão de uma gestão que deixou a desejar e que representa a adesão política e ideológica ao bolsonarismo”.

A nota oficial prossegue: “ Por outro lado, o candidato Eduardo Paes, mostrou nessa eleição atitude misógina, atentatória de padrões mínimos de ética e respeito mútuo que devem imperar entre adversários que disputam o mesmo pleito, transformando a eleição da capital do Rio de Janeiro em um massacre vil à candidata do PDT”, a deputada estadual Martha Rocha. Ainda de acordo com o texto aprovado pela executiva, “ao contrário de críticas políticas, o que houve foi o ataque pessoal belicoso constante, inclusive à vida intima e privada da candidata. Sendo assim, resta impossibilitada a construção de alianças formais”.

Ainda de acordo com o texto, Paes “se tornou um representante da direita, flertando com o apoio de Bolsonaro e adotando práticas de campanha utilizadas por ele”, enquanto Crivella, por sua vez “além da desastrosa administração, representa o bolsonarismo e o credo conservador”.

Levando em conta os fatos, segundo já anunciado pela deputada Martha Rocha, o PDT “democraticamente opta no sentido de liberar seus militantes para que votem com suas consciências, deixando bem claro que não autoriza a participação de seus filiados, em atos de campanha de quaisquer dos dois candidatos”.

E conclui: “A participação será tratada como um desrespeito à uma decisão partidária”. A nota é assinada pela Executiva Municipal do PDT.

Lupi explica o posicionamento do PDT no Rio, Porto Alegre e São Paulo