Diretório Nacional do PDT se reúne no Rio de Janeiro e define as normas para as eleições de 2020

O Diretório Nacional do PDT, reunido no Rio de Janeiro na última sexta-feira (22/11), na sede nacional da Fundação Leonel  Brizola – Alberto Pasqualini (FLB-AP), tomou uma série de decisões relacionadas ao momento político atual do país e aos próximos passos da legenda relacionados as eleições municipais de 2020.  Antes, pela manhã, reuniu-se o Conselho Curador da FLB-AP para fazer um balanço das atividades de 2019 e programar 2020.

Ainda no mesmo dia, à noite, houve o lançamento do livro “Um golpe contra os trabalhadores”, de Carlos Lupi, na sala multiuso professor Loureiro, no térreo da fundação; e a abertura do congresso nacional da Ação da Mulher Trabalhista (AMT), que prolongou-se pelo sábado, dia 23/11.

A reunião do Diretório Nacional foi tranquila e foram tomadas as seguintes decisões pelo voto da maioria, em sessão presidida pelo presidente nacional da legenda, Carlos Lupi; com a presença do secretário-geral do partido, Manoel Dias; do líder da bancada federal, deputado André Figueiredo; e das principais lideranças do partido no país.

Estas foram as principais decisões tomadas na reunião do Diretório Nacional do PDT:

1) Os deputados federais Jesus Sérgio, Sílvia Cristina, Subtenente Gonzaga e Alex Santana, foram reintegrados após fazerem autocrítica e voltarem a votar com o partido em todas as matérias e questões fechadas pelo PDT na Câmara. Porém estão inabilitados a exercer cargos de liderança nos seus respectivos diretórios estaduais, segundo proposta apresentada pela presidente da AMT, vice-presidente nacional do PDT, Miguelina Vecchio;

Os outros quatros deputados a saber:  Marlon Santos, Tabata Amaral, Gil Cutrim e Flávio Nogueira, que acionaram o PDT judicialmente para sair do partido e manter seus mandatos continuarão suspensos até a decisão judicial final, e só após essa decisão judicial  – o Diretório Nacional voltará a se reunir para decidir a respeito.

2) A partir da decisão,  todo e qualquer candidato do PDT integrado a qualquer grupo ou partido clandestino terá a sua candidatura invalidada pela legenda do PDT. O PDT passa a vetar qualquer candidatura relacionada ao RenovaBr, RAPS, etc.

3) Uma das prioridades partido é com a organicidade e o planejamento das candidaturas de mulheres a cargos eletivos nas eleições de 2020, candidaturas que serão discutidas no âmbito das representações do movimento de mulheres (Ação da Mulher Trabalhista);

4) O PDT, com já fez em outras eleições, terá candidaturas próprias para as prefeituras em todas as capitais e grandes e médias cidades, brasileiras, acima de 200 mil habitantes – onde também serão disputadas eleições em dois turnos. Nessas  cidades com população superior aos 200 mil habitantes as candidaturas serão supervisadas pela Executiva Nacional do PDT, bem como as alianças para disputa de 2° turno. As cidades com população inferior a 200 mil habitantes e sem segundo turno, esta supervisão ficará a cargo dos Diretórios Estaduais do partido;

 

5) Ano que vem, uma das prioridades das atividades da Fundação Leonel Brizola-Alberto Pasqualini será a celebração dos 40 anos do PDT, com a produção de material  relacionado à data e, também, de material específico com a história do PDT em cada Estado. 6) VI Congresso Nacional do PDT será em 2023.

7)  Uma das prioridades principais do PDT para 2020 é a candidatura de CIRO GOMES à Presidência da República, em 2022.

8) VI Congresso Nacional do PDT será realizado em 2023.