Darcy Ribeiro em 1991, no ‘Roda Viva’, exaltou a revolução educacional que Brizola e ele fizeram com os Cieps

Pela revolução educacional, Darcy Ribeiro idealizou os Cieps com Brizola

No Roda Viva de 1991, o pedetista enalteceu a democratização do ensino de qualidade pelo Rio

*Por Bruno Ribeiro / FLB-AP

“Minhas paixões: minha ‘patrinha’, o Rio de Janeiro, a educação e o programa de Brizola (Cieps), que é a coisa mais bonita que o Brasil já viu.” Incisivo para ratificar o zelo e a dedicação em prol do povo, o antropólogo e ex-senador pelo PDT, Darcy Ribeiro, concedeu entrevista efusiva ao programa Roda Viva, em 1991. Seu falecimento ocorreu seis anos depois, no dia 17 de fevereiro, quando acumulava 75 anos de vida.

“Educação é indispensável. Sem educação séria, sem incorporar a população de São Paulo e do Brasil — essa versão que eles estão imersos, mas marginalizados —, o Brasil não dá certo. Tem que ensinar a ler, escrever e contar para todo mundo”, projetava.

Ao falar do ex-governador e presidente nacional do partido, Leonel Brizola, com quem atuou, principalmente, na concretização dos Centros Integrados de Educação Pública (Cieps) no Rio de Janeiro, Darcy analisou sua trajetória e consolidou a histórica imagem trabalhista.

“Brizola é o maior estadista desse país. Esse homem, que percebeu a importância da educação, vai fazer uma revolução. Nós começamos a fazer a revolução e vamos continuar fazendo essa revolução educacional”, afirmou, ao assegurar o padrão do projeto executado pelo líder pedetista: “Só o Brizola tentou, no Rio de Janeiro, nas condições que o povo exige.”

O recorte construído, a partir de 1983, contrastou com o padrão oferecido pelas escolas pelo país, principalmente nas grandes cidades. Para ele, os pilares educacionais mudaram a lógica a partir de um serviço completo de suporte.

“A escola pública é intrinsecamente desonesta, porque ela está adequada para o aluno de classe média”, condena, ao promover um caminho efetivo para as crianças das camadas populares e, consequentemente, mais fragilizadas: “Para sair dessa desonestidade, você tem que criar como os Cieps.”

“Se você alimenta esse menino, dá ginástica, atenção e carinho, em seis meses ele ‘pega’ os outros. Isso é uma coisa muito importante. Essa meninada não está perdida”, complementa, ao mostrar o potencial de retorno do investimento feito no ensino integral.

Confira a entrevista na íntegra: