Ciro Gomes e o fio da história

-A fala de Ciro Gomes, analisando o momento atual da vida brasileira, foi o grande fecho ontem (11/01) do primeiro dia de discussões na sede da Fundação Leonel Brizola – Alberto Pasqualini, na Praça Tiradentes, no Rio, do encontro das executivas nacional e estaduais do PDT – mais os presidentes dos movimentos partidários. A reunião foi dirigida por Carlos Lupi e Manoel Dias, presidente e secretário-geral da legenda.

Hoje a reunião prossegue a partir das 10 da manhã com a discussão dos preparativos do PDT para as eleições municipais de 2020, a eleição dos líderes do PDT na Câmara e no Senado federal agora no início de fevereiro, além de assuntos gerais.

Ontem os participantes discutiram o projeto PDT Digital, a realização de convenções partidárias obrigatórios este ano e alguns dos projetos em execução pelo Centro de Memória da Fundação Brizola-Pasqualini, entre eles o próximo lançamento de documentário sobre Getúlio Vargas com base na trilogia “Era Vargas”, de José Augusto Ribeiro; e a celebração dos 40 anos do Encontro de Lisboa, liderado por Brizola, marco da retomada do Trabalhismo após a ditadura.

Na sua fala Ciro analisou este início do governo Bolsonaro; as propostas de Paulo Guedes para a economia e criticou especialmente a planejada entrega a estrangeiros de empresas brasileiras estratégicas para nosso desenvolvimento como a Eletrobras, a Embraer e a Petrobras; além da importância cada vez maior do Trabalhismo e de Getúlio Vargas para a vida dos brasileiros.