Ciro articula grande reunião para deslanchar os mais de 100 pedidos de impeachment de Bolsonaro na Câmara

PDT e mais oito partidos de Oposição estão articulando  uma grande reunião para deslanchar os pedidos de impeachment, mais de 100, já encaminhados à presidência da Câmara dos Deputados, anunciou o ex-ministro Ciro Gomes,  um dos articuladores da ideia.

“Vamos desmontar a maior farsa do discurso bolsonarista, a de que o impeachment dele poderia ser deflagrador de caos e instabilidade. É como se poupássemos a cura pelos malefícios da doença. Esse artificio retórico é usado em escala variada sempre que Bolsonaro é questionado sobre qualquer uma de suas inúmeras e gigantescas falhas. O truque alegado com toda a hipocrisia do mundo é que não se deve perturbar o presidente em momento tão grave. E o que ele faz? Nada. Absolutamente nada.”

A frente é formada por PDT, PCdoB, PSB, PSOL, PT, PV, Rede, Cidadania e UP. Para aprofundar a ideia, nove partidos de oposição do governo se reuniram de forma virtual na terça-feira (13) passada com esse objetivo.  Participaram líderes do PDT, PSOL, PT, PCdoB, PSB, Rede, UP, PV e Cidadania.  A ideia de fazer um “superpedido” de impeachment de Bolsonaro reunir todos os parlamentares que já protocolaram pedidos de afastamento  – a Câmara dos Deputados já recebeu ao menos 112 pedidos de impeachment, quase o dobro dos feitos contra Dilma Rousseff (PT),  68 no total.

O primeiro de todos, de partido político, foi feito pelo PDT e o último também pelo partido, que reiterou na última segunda-feira (12) o pedido, desta vez porque Bolsonaro  representa “ameaça ao livre exercício dos poderes”.

A deputad Gleisi Hoffmann, presidente do PT, apoia  a iniciativa que “além da luta pelos direitos do povo, temos a necessidade de colocar a luta política como uma questão prioritária”. No encontro virtual  também foram debatidas ações para cobrar mais celeridade na vacinação dos brasileiros e o aumento do auxílio-emergencial para R$ 600. Siglas de direita que não sejam aliadas do governo também devem ser convidadas a participar.

Presente no encontro, o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, disse que o debate foi proveitoso. “Reunião muito unitária e com sintonia entre os partidos para combater a crise e defender o povo brasileiro”, declarou, nas redes sociais.

Outra pauta do grupo é a pressão pela abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia na Câmara. O objetivo seria o mesmo da CPI protocolada no Senado: apurar possíveis crimes do governo federal no enfrentamento à pandemia.

“Eu acho que se somariam. O ideal é uma CPMI mista. Mas não foi possível articulá-la. Então tem que fazer esse movimento para que a Câmara também tenha uma responsabilização da investigação desses crimes”, explicou Gleisi Hoffmann.  “Há um grande consenso sobre a necessidade de retomar a bandeira do impeachment e a defesa de uma CPI pra valer, que investigue a fundo os crimes de Bolsonaro”, comentou Juliano Medeiros, presidente do PSOL.

“O impeachment é uma saída política para a crise, mas não deixamos de lutar por medidas concretas que podem ser implementadas por decisão do Congresso Nacional,   independentemente de Bolsonaro” , completou o presidente do PSOL.

Veja declaração de Ciro na Jovem Pan sobre o assunto: