Ciro: ‘É humilhante Bolsonaro falar que não disse o que disse’

O pré-candidato do PDT à presidência, Ciro Gomes, divulgou nesta quinta-feira à noite (9/9), pelo seu facebook, a seguinte nota depois que Jair Bolsonaro, após se encontrar com Michel Temer, distribuiu à mídia desdizendo tudo o que vem dizendo há meses, insuflando atos antidemocráticos e incentivando a destruição das instituições da República em busca do caos. Segundo fontes, a nota foi integralmente escrita por Michel Temer, responsável, junto com Eduardo Cunha, pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff – traindo sua aliança com PT e o ex-presidente Lula.
Segundo Ciro Gomes, “a nota que Bolsonaro divulgou há pouco é a rendição mais ridícula e humilhante de um presidente em toda história mundial. E a prova de que ele não tem mais autoridade política nem moral de governar o país”.
E ele acrescenta:
“Sinceramente não sei se sua nota traz mais alívio ou vergonha. Não deixa de trazer certo alívio momentâneo, porque sua covardia, sendo maior que sua irresponsabilidade, nos livra temporariamente de um desenlace mais dramático.
Porém nos traz uma imensa vergonha porque é a confirmação final de que nosso amado Brasil tem – ou tinha – como presidente um personagem insano e destituído de qualquer hombridade moral.
“Sendo assim, não me surpreenderá se no futuro viermos a descobrir algum tenebroso e imoral acordo por baixo das letras desta nota.
Um fato que não mais surpreenderia nem mesmo os incautos seguidores que, hoje, ele empurrou para a desgraça e o ridículo, abandonando-os, em meio à batalha, como o mais covarde dos comandantes.
“De qualquer sorte fiquemos bem atentos porque tudo que vem de Bolsonaro não se pode acreditar. Tudo que vem de Bolsonaro não se pode confiar.
Só uma coisa é certa: este homem acaba de produzir a mais sensata insensatez de toda a história política brasileira.
E um insensato deste calibre não pode continuar presidente, pois é um risco permanente para o país”.
BOLSONARO MUDA O TOM
Diante da firme reação das instituições, especialmente do Judiciário, aos atos antidemocráticos organizados por Bolsonaro e seus seguidores, preocupado com a decisão dos partidos de oposição se reunirem para providenciar o seu impeachment; além da prisão de alguns dos líderes das manifestações pedindo o fechamento do STF, a prisão de ministros e outras ilegalidades, após se reunir e aconselhado pelo ex-presidente Michel Temer, Bolsonaro concordou em assinar uma espécie de ‘carta de desculpas’ à Nação, pelo seu comportamento – o que motivou as palavras de Ciro Gomes e várias outras lideranças políticas do país.
Leiam a íntegra da carta assinada por Bolsonaro, escrita por Temer:

“Declaração à Nação

No instante em que o país se encontra dividido entre instituições é meu dever, como Presidente da República, vir a público para dizer:

1. Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar.

2. Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news.

3. Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de “esticar a corda”, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia.

4. Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum.

5. Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do Ministro Alexandre de Moraes.

6. Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal.

7. Reitero meu respeito pelas instituições da República, forças motoras que ajudam a governar o país.

8. Democracia é isso: Executivo, Legislativo e Judiciário trabalhando juntos em favor do povo e todos respeitando a Constituição.

9. Sempre estive disposto a manter diálogo permanente com os demais Poderes pela manutenção da harmonia e independência entre eles.

10. Finalmente, quero registrar e agradecer o extraordinário apoio do povo brasileiro, com quem alinho meus princípios e valores, e conduzo os destinos do nosso Brasil.

DEUS, PÁTRIA, FAMÍLIA