Brizola por Brizola: Três urnas unânimes.

Companheiras e companheiros; prezados amigos. A minha saudação ao dono da casa e a todos os seus colaboradores – aqueles que estão aqui nos servindo; e aqueles que estão lá atrás, preparando coisas tão boas, como este churrasco, esta polenta. Todas estas iguarias tão saborosas, assim como este serviço também.

Eu quero saudar os companheiros de Campo Grande, os companheiros da Zona Oeste. Vocês sabem que nós temos um lugar no nosso coração para a Zona Oeste. Mas muito especial mesmo.

Vocês sabem que quando eu comecei a minha caminhada no Rio de Janeiro, ainda esta região se chamava Zona Rural; e nós achamos que se devia chamar Zona Oeste, porque era assim a definição das novas vocações.

Aqui, sempre marcamos uma presença muito importante do Trabalhismo, do nosso Partido. E a verdade é que, desde quando vivia o Presidente Getúlio Vargas, era também a Zona Oeste uma espécie de baluarte de apoio à sua política; baluarte do Trabalhismo no Rio de Janeiro.

E eu tenho a honra de dizer que sempre contei com a Zona Oeste, a ponto de que nós tivemos, em uma eleição, três urnas unânimes. Precisamente, estas três urnas unânimes foram lá em Santa Cruz. Três urnas unânimes!

Olha, até os mesários, até os fiscais dos outros partidos: todos aclamaram a nossa causa. Porque, finalmente, fomos nós – trabalhistas – que emprestamos alguns fiscais aos outros partidos; fomos nós que presidimos e administramos aquela cena. A maior glória que podíamos ter foi esta: de ter três urnas por unanimidade.

Fizeram várias reportagens públicas para que todo mundo visse. Foram votos unânimes. Isto é uma coisa que não deve ter acontecido em lugar nenhum do nosso país.

(Campanha eleitoral para a Prefeitura – Churrascaria Espetão Gaúcho, em Campo Grande – 26 de agosto de 2000)

[·] · [·] · [·] · [·]

Jornalista argumenta que na Zona Oeste tem o maior número de indecisos.

Sempre foi assim. Na Zona Oeste não tem muito indeciso. É engano.

A Zona Oeste tem muita consciência política; e não tem porque está dizendo voto para pesquisador.

Esse é o ponto: a Zona Oeste tem muita consciência política; e o pesquisador pensa que ele não sabe. É que ele não quer dizer o voto. Este é ponto.

A Zona Oeste sempre foi um reduto nosso. A ponto que eu, na Zona Oeste, tive três urnas unânimes. Até os ficais dos outros partidos votaram em mim.

Foi na eleição para governador, em 1990. E todo mundo diz: mas como?

Votaram os mesários, votaram os fiscais dos outros partidos. Votaram em mim e votaram na legenda deles.

(Entrevista coletiva, após a Brizocleada [passeio ciclístico], em Copacabana – Campanha para a Prefeitura, em 12 de setembro de 2000)